Alergia em Foco Você sabe o que é rinite alérgica?


jul

18

2013

Você sabe o que é rinite alérgica?

Afinal, o que é rinite? Rinite é uma inflamação da mucosa nasal, que acomete tanto adultos quanto crianças. Ela pode ter várias causas, sendo a mais comum a alergia. Seus sintomas são muito parecidos entre todos os tipos, levando as pessoas a pensarem que rinite é um resfriado que não passa ou uma ”sinusite” crônica. A rinite tem várias formas de ser desencadeada como a infecciosa, causada por vírus ou bactérias, a medicamentosa, geralmente relacionada à automedicação com descongestionantes e vasoconstritores. Há também a vasomotora, em decorrência de cirurgias nasais, stress, estímulos químicos e físicos, gravidez e também pelo uso de alguns medicamentos. A alérgica, a mais comum das rinites, é uma manifestação sintomática do nariz, secundária à inflamação da mucosa nasal mediada por IgE, em resposta à exposição a alérgenos após a sensibilização prévia. Alguns dos principais sintomas da rinite alérgica são: episódios recorrentes de espirros, tosse, coceira e obstrução nasal, coriza, coceira no palato, ouvidos e faringe, tiques faciais, respiração bucal, roncos, voz anasalada e alterações de olfato. Há também os sintomas oculares que são: coceira, lacrimejamento e hiperemia conjuntival e os sintomas relacionados aos ouvidos: estalidos durante a deglutição, dificuldade de audição ou sensação de ouvido tampado. A relação da doença com fatores genéticos e ambientais podem levar a manifestações da rinite alérgica. Portanto, a rinite pode ter uma característica hereditária, mas com o tempo, diante das diversas exposições, a doença também pode se manifestar. Há pessoas que costumam confundir asma com rinite, mas tanto uma quanto a outra possuem manifestações diferentes, a asma é uma doença inflamatória pulmonar, já a rinite é a inflamação das mucosas nasais. No entanto, como a via aérea é única, uma rinite mal controlada pode ser um importante fator agravante da asma. Alguns cuidados podem melhorar a qualidade de vida dos que tem rinite alérgica como a higiene ambiental, o quarto deve ser bem ventilado e arejado, evitar travesseiro e colchão de paina ou pena, nesse caso substituir por um de espuma, fibra, ou látex, sempre que possível envolvido em material plástico (vinil) ou em capas impermeáveis aos ácaros. Recomenda-se limpar o estrado da cama duas vezes por mês, evitar tapetes, carpetes, cortinas e almofadas, dar preferência para pisos laváveis (cerâmica, vinil e madeira) e cortinas tipo persianas ou de material que possa ser limpo com pano úmido. Outros cuidados que se deve tomar são com as camas e berços, os quais não devem ser justapostos à parede, evitar bichos de pelúcia, estantes de livros, revistas e caixas de papelão no quarto de dormir, combater o mofo e a umidade. Para locais mofados pode ser aplicada a solução de ácido fênico entre 3% a 5% até resolução definitiva da umidade. Evitar o uso de vassouras, espanadores e aspiradores de pó, passar pano úmido diariamente na casa ou usar aspiradores de pó com filtros especiais, evitar animais de pelo ou pena, os animais de estimação para crianças alérgicas são peixes e tartarugas. Evitar inseticidas e produtos de limpeza com odor forte, não fumar, não deixar que fumem dentro da casa e do automóvel. As roupas e cobertores devem ser lavados e secados ao sol, evitar banhos extremamente quentes, pois a temperatura ideal da água é a mesma do corpo, dar preferência à vida ao ar livre, os esportes podem e devem ser praticados. Um bom tratamento pode mudar a qualidade de vida  A rinite alérgica afeta a qualidade de vida dos pacientes, diminuindo o desempenho na escola ou trabalho, estando também relacionada à dificuldade no controle da asma. Além disso, deve-se considerar sua associação com outras condições como sinusite, otite média, polipose nasal, infecções respiratórias e respiração bucal. Uma rinite sem tratamento adequado afeta diretamente o dia a dia do paciente, diminuindo sua capacidade para o trabalho e estudo, qualidade do sono e alimentação. Além disso, podem evoluir com outras doenças associadas como respiração bucal, sinusites, otites e descompensação dos quadros de asma. O paciente deve ser devidamente acompanhado pelo alergista para o tratamento ideal. A imunoterapia, também conhecida como vacina de alergia, é o único tratamento capaz de mudar a história natural da rinite alérgica e deve ser utilizado nos casos em que o paciente demonstra sensibilização alérgica sem resposta ideal ao tratamento medicamentoso. A indicação e aplicação da imunoterapia são de competência do profissional habilitado, o alergista. Existem alguns mitos em relação aos sprays nasais e os soros, é importante saber que existem vários tipos de sprays e tópicos nasais. Os corticóides intranasais são a medicação de escolha no tratamento da rinite, são medicamentos seguros com baixa absorção sistêmica, portanto, não apresenta os temidos efeitos colaterais do uso do corticóide. Os descongestionantes vasoconstritores por sua vez são medicações cujo uso crônico pode levar a um quadro de obstrução nasal, quando terminado o tempo de ação do medicamento pode acorrer um efeito maior que aquele apresentado antes de usá-lo. Os profissionais da área costumam chamar esse fato de efeito rebote. É por esse motivo que a automedicação é um risco para a saúde, o melhor a se fazer é procurar o auxílio de um médico.
<< Voltar

Os comentários estão fechados.