Alergia em Foco Rinite – A rinite alérgica e o ambiente de trabalho


mar

5

2015

Rinite – A rinite alérgica e o ambiente de trabalho

Um dos princípios básicos no tratamento dos indivíduos com rinite alérgica é aconselhá-los a evitar, dentro do possível, entrar em contato com substâncias  ou fatores externos que são capazes de desencadear neles uma manifestação alérgica. De nada adianta uma terapia medicamentosa se o individuo alérgico continua mantendo contato com aquilo que o sensibiliza, da mesma forma que é pouco provável que tal individuo consiga ter períodos assintomáticos prolongados.
Uma das maneiras de se atingir este objetivo seria por meio de uma higiene ambiental adequada, principalmente com respeito aos lugares em que o individuo alérgico passa a maior parte do tempo. Isso pode ser conseguido de forma satisfatória no ambiente domiciliar, evitando-se, por exemplo, carpetes, cortinas, bichos de pelúcia, acúmulo de livros/jornais, proceder a limpezas freqüentes e assim por diante.
No entanto, quando voltamos a nossa atenção para o ambiente de trabalho, observamos que tal higiene ambiental fica muito mais difícil de ser alcançada, uma vez que, na maioria dos casos, independe da vontade do individuo alérgico, estando mais na dependência da empresa ou instituição em que trabalhe. Como controlar a limpeza do ar condicionado central, não ter carpete nos ambientes de trabalho ou evitar que se fume? Esses são apenas alguns exemplos que ilustram essa idéia.
Como é muito difícil controlar todos os fatores relacionados ao ambiente de trabalho, e pelo menos um terço do dia é passado dentro dele, torna-se, então, muito mais necessário que o individuo alérgico empenhe-se ao máximo para que o seu ambiente domiciliar seja o mais adequado possível, que seus hábitos de vida sejam os mais compatíveis com quem tem alergia respiratória, tais como: evitar animais de estimação dentro de casa, dar preferência a práticas desportivas ao ar livre, escolher fragrâncias que se adaptem melhor ao seu “status” de ser alérgico, preferir agasalhos que não sejam de lã, só para citar alguns que podem passar despercebidos.
Sempre se deve ter em mente que controlar todos os fatores causadores da alergia sobre os quais se tem domínio é o ponto de partida para quem quer ter menos recidivas das suas manifestações alérgicas respiratórias.
Arthur Guilherme L. Bettencourt S. Augusto https://www.tratandoalergia.com.br/2006/conteudo_fiquepordentro.asp?i=193
<< Voltar

Os comentários estão fechados.